quinta-feira, 17 de março de 2016

O PROTAGONISMO DA CULTURA E A VISÃO ESTRÁBICA DO GESTOR CULTURAL

“O melhor é não juntar pensamentos divergentes,
mas, criar unanimidades burras”.
Pawlo Cidade¹ 

Convergente, divergente e vertical
Outro dia ouvi de um amigo que era melhor falar por metáforas porque evita dentes quebrados e dor de cabeça na inteireza. Isto porque as pessoas não estão preparadas para ouvir críticas ou sugestões sobre o que vem fazendo na vida profissional.  O fato é que, sem tergiversar, vou direto ao ponto: os governos municipais não se dão conta que colocam na pasta da cultura pessoas com visão estrábica. E, tal qual o estrabismo – sem nenhuma menção pejorativa nem preconceituosa para quem possui este problema muitas vezes hereditário – podemos afirmar que a visão gerencial no campo cultural, de quem está nesta condição, é classificada de três maneiras:
1.      Convergente – quando o gestor não consegue enxergar que o Conselho de Cultura pode ser um aliado poderoso na sua gestão. Deste modo, todas as suas atitudes são atitudes voltadas para dentro de si mesmo;  
2.      Divergente – quando o gestor radicaliza suas decisões e se fecha no seu protagonismo cultural onde só ele é capaz de promover uma determinada ação e
3.      Vertical - quando o gestor planeja sem ouvir as pessoas mais interessadas no Plano de Ação do órgão máximo da cultura: os artistas.

Política de Balcão e Pires na Mão

Quase sempre este tipo de comportamento ocorre quando o gestor traz enraizado em sua experiência duas práticas: a primeira é a “política de balcão”, do favorecimento, do clientelismo, do paternalismo, dos critérios obscuros e das motivações semelhantes como bem diagnostica TURINO (2009): “Um hábito que tanto infelicitou, e infelicita, nossa prática cultural”. Xô! “Quebrem o balcão!” – Diziam os cineastas do Estado de Alagoas para o governo alagoano que até 2013 era o único estado nordestino que não possuía uma política cultural de fomento.
A segunda é a prática do “pires na mão”, cuja origem se diz que surgiu com os prefeitos que cobram dia-após-dia de seus parlamentares emendas para resolver as cobranças da população. O ato em si de cobrar não conceitua a expressão “pires na mão,” porém, o vai-e-vem à Brasília, a exigência de documentação para liberar a emenda, a modelagem obrigatória de projetos, estar em dia com o Cadastro Único para Exigências de Transferências Voluntárias – CAUC - transforma o prefeito num pedinte de primeira grandeza. Assista ao vídeo “O calvário dos prefeitos para conseguir recursos – A história do pires na mão”, no YouTube, e verifique.
São estas práticas do gestor cultural que reduz a Cultura à cereja do bolo. Ou seja, a Cultura passa a ser vista aqui como a prima pobre, a pasta coitada, a que sempre é relegada a segundo, terceiro ou décimo plano.  O gestor traz consigo a marca da esfera pedinte, amadora, chata, que é lembrada apenas quando o governo inaugura alguma coisa.
A situação complica quando estas três formas são simultâneas e o gestor, perdido, nunca tem certeza de nada e está sempre ajustando sua prática à prática do outro. Torna-se um camaleão sem cor, não sabe fundir ideias e propostas, desconhece o conceito de convergência e acredita que o melhor é não juntar pensamentos divergentes, mas, criar unanimidades burras.

Para que haja protagonismo cultural

Para que a Cultura assuma de vez seu protagonismo no campo das políticas públicas e na gestão municipal e deixe de “ser vista como acessória no conjunto das políticas governamentais” (BOTELHO, 2001) é preciso considerar alguns aspectos:
a) O cargo deve ser técnico. Além de técnico o gestor precisa ser político;
b) Deve possuir qualificação e experiência - condições indispensáveis;
c) Sem bajulação ou lisonjeio gozar do apoio do prefeito;
d) Precisa convencer os companheiros de governo que a Cultura é transversal. Para isso terá que saber articular as demais esferas do governo como um programa conjunto;
e) Seu plano de ações deve prever atividades que estimulem o pertencimento junto à comunidade. Porém, isso só será possível se ele estiver em constante diálogo com ela;
f) Tem que definir logo no início do seu mandato qual o conceito de Cultura que irá trabalhar;
g) Mapear toda a comunidade cultural. Na sua sala tem um mapa onde ele pode traçar sua ação, metas e objetivos já alcançados, identificando grupos, instituições, coletivos no Município;
h) Quando pensar em programas e projetos que democratizem o acesso aos bens culturais precisa primeiro pensar na democracia cultural. Não adianta levar orquestra sinfônica para a comunidade se a comunidade nem sequer foi ouvida se queria ver uma orquestra sinfônica;
i) Esquecer de vez a função de produtora. Um órgão de cultura não pode produzir eventos de todos os gostos e todos os tipos. Precisa fomentar, criar oportunidades e condições para que os verdadeiros promotores de eventos desenvolvam seus projetos;
j) No seu planejamento estratégico não pode faltar programas de formação e capacitação dos artistas e técnicos. Deve criar objetivos e metas que possam ser alcançados. Não pode trabalhar de forma empírica e ao sabor do vento. Do vento do orçamento, do aval do prefeito, da boa vontade da secretaria da fazenda. Se há planejamento financeiro, há disponibilidade orçamentária. Os imprevistos podem ser sanados com os parceiros locais. E, os parceiros não podem ser apoiadores de ocasião, nem amigos afins, mas conectores que acreditam no processo de transformação através da Cultura;
l) Seu principal foco deve ser a reterritorialização. “Mesmo no âmbito da cultura global, surgem espaços destinados aos produtos “típicos”. A reterritorialização contemporânea, com a emergência cultural das cidades e regiões, tem sido a contrapartida da globalização cultural.  Assim, o panorama atual aponta para um desigual e combinado processo de glocalização” (RUBIM, 2006). Sem valorização do local não consegue ganhar apoio da comunidade cultural. Fica isolado, desacreditado e dá a impressão de que não faz nada. E quando faz, passa despercebido;
m) Suas estratégias devem envolver o Conselho Municipal de Cultura, a captação de recursos para o Fundo Municipal de Cultura e selar de vez o Sistema Municipal de Cultura;
n) Deve promover a participação efetiva dos artistas locais em grandes datas comemorativas, a exemplo do Carnaval, São João, Réveillon, aniversário da Cidade, dando-lhes condições dignas com camarins próprios, cachês justos e tratamento semelhante ou melhor do que os artistas visitantes.
Ora, uma ação de governo que se pretenda progressista, ou transformadora, tem a Cultura como prioridade, assinala TURINO (2009). Não dá para agir assim se os gestores culturais continuarem com esta visão estrábica e, também, míope! O que requer aí um outro artigo para esclarecer – e convencer – de que um verdadeiro gestor da cultura tem que ter olho de tandera. Sua capacidade de enxergar tem que ir além do que está no seu campo de visão.   

Sem alinhamento não há convergência

Se ele consegue municipalizar a Cultura e ampliar o orçamento vira referência. É copiado, lembrado e apontado como figura ímpar, e seu nome estará nos anais da história. Se não conseguir, e nem sequer pensar assim, cada olho – assim como no estrabismo – irá formar uma imagem diferente do objeto. Afinal, sem alinhamento, não há convergência. É claro que neste cenário aparentemente caótico existem bons exemplos que se espalham pelo país, como o Município de Goiana, em Pernambuco, onde são investidos 2% do orçamento anual em Cultura. “Estamos escrevendo uma nova página na rica e singular história de Goiana. Somos hoje a cidade que, além de possuir um tecido cultural diversificado, nos preocupamos em fomentar e garantir subsídios para que o fazer cultural seja valorizado”, disse o prefeito Fred Gadelha, em entrevista na página oficial da prefeitura da cidade.
Imagine um Conselho de Cultura que não compreende seu papel e sua função. Agora, some-se a isso um gestor cultural despreparado e divergente. Qual o resultado? Uma política cultural inexistente e um sistema inoperante.
Todos estes aspectos aqui elencados devem ser considerados de forma conjunta e nunca isoladamente. Senão, sua administração recairá em uma ou mais classificações estrábicas. Porém, se o seu planejamento excluir qualquer forma imediatista, estará priorizando escolhas de médio e longo prazos, dando a todos a possibilidade de escolhas e contemplando as várias dimensões da cultura sem nenhum preconceito ou dirigismo: “O Estado tem de estar a serviço da sociedade e nunca o contrário” (TURINO 2009). Segundo ele para que a administração pública cresça é preciso “assumir uma postura mais humilde e menos impositiva quanto à proposição e execução de programas”. É desta maneira que Estados e Municípios podem se tornar articuladores, jamais produtores.
Considerações finais
Afirmar que: os governos municipais não se dão conta que colocam na pasta da cultura pessoas com visão estrábica não faz desta sentença uma regra. Afinal, toda regra tem exceção. Melhor, exceções. E mais, garantir o investimento de 1% - como prevê a PEC 421 - ou 2% como deseja o Município de Goiana para o fomento, não são suficientes para a construção de uma política cultural de descentralização de recursos. Há de se considerar as forças artístico-culturais, organizadas, que tentarão cooptar o maior número possível de investimentos para suas áreas. E, se o gestor não tiver a capacidade de saber “dividir o bolo”, controlar os egos, fortalecer as tradições, impor limites e provocar intervenções, dificilmente teremos ações estruturantes, projetos sustentáveis e programas de fortalecimento para a diversidade cultural.
E, quando as forças organizadas se deslocam como tratores contra os gestores estrábicos, eles, acuados, sem planejamento, partem para uma política de eventos – imediatista - na contramão da política cultural, formando “um conjunto de programas isolados – que não configuram um sistema, não se ligam necessariamente a programas anteriores nem lançam pontes necessárias para programas futuros – constituídos por eventos soltos uns em relação aos outros” (COELHO, 2004).
O gestor cultural precisa pensar localmente, agir globalmente e se fortalecer coletivamente. O desejo de construir em conjunto, de unir forças não o torna incapaz na condução de seus trabalhos. Pelo contrário, demonstra liderança, legitimidade, segurança, competência e capacidade de congregar em um mesmo ambiente, pensamentos divergentes, ações estruturantes e relações horizontais.

[1] Pawlo Cidade é escritor, produtor e gestor cultural. Autor da cartilha “Como Transformar a Cultura em um bom negócio – 17 perguntas para você se torna um empreendedor cultural”, Editora A5, Itabuna, Bahia, 2014.


REFERÊNCIA
TURINO, Célio. Uma gestão cultural transformadora, 2009. Disponível em:  http://www.fmauriciograbois.org.br/cultura/index.php?option=com_content&view=article&id=10:gestao Acesso em: 21 de nov. 2015.
RUBIM, A. A. C. Políticas Culturais entre o possível e o impossível. In: Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 2., 2006. Salvador-Bahia.
BOTELHO, Isaura. Dimensões da cultura e políticas públicas, 2001. Disponível em: http://www.guiacultural.unicamp.br/sites/default/files/botelho_i_dimensoes_da_cultura_e_politicas_publicas.pdf Acesso em 21 de nov. 2015.
COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Editora Iluminuras, 2004. 300 p.


domingo, 23 de agosto de 2015

EU SEMPRE PENSEI ASSIM




AS DOCES AMARGAS MEMÓRIAS DE PEDRO E ALICE

PEDRO

O poeta profetizou. Aquela poesia do coração despirocado foi sinistra. Ele acertou na mosca! E eu achando que havia exagerado ao confessar que ela beirava a insanidade. Perder a virgindade num porão imundo de um auditório escolar em plena atividade pedagógica, especialmente na hora do intervalo é no mínimo pirraça, doidice, excentricidade, delírio! Falta adjetivo para compreender a proposta indecente e estapafúrdia que a louca da Alice me fez.
“Então me faça mulher aqui. Agora!”
Deus do céu! Será que ainda eu tenho idade para viver experiências intensas que transformem meu coração numa verdadeira bateria de escola de samba? Quando se é adolescente ou um jovem à beira dos 20 anos você ainda se aventura meia-noite numa estrada deserta sem medo de ser assaltado. Você é capaz de quebrar regras sem se preocupar com as consequências. Afinal, você só tem 20 e um mundo inteiro pela frente para corrigir as burrices que você cometeu. Aos 20 anos você é capaz de emendar a balada da noite anterior com o trabalho da manhã seguinte às 7 horas. Pode dormir o dia inteiro e virar 1, 2, 3 noites no carnaval e na quarta noite ainda ter fôlego para pegar o cinema com aquela gata que você vem tentando ficar há um tempo.
 Aos 20 anos, ou quase 20, seus amigos são como uma família incrível. Vocês criam dezenas de coisas juntos, são cúmplices, escondem os segredos uns dos outros, cobrem as mentiras, farreiam juntos, tomam banho juntos, dançam juntos, criam coreografia e gritos de guerra e todo mundo namora junto.
Quando se chega à casa dos 30, a história é diferente. As decisões que você toma podem significar sua vitória ou derrota, independência ou dependência, prisão ou liberdade. Um mundo de escolhas que não lhe dá tempo, condições ou possibilidades. E daí? A vida não é minha? Quer dizer que eu não posso mais viver perigosamente, tomar banho nu na praia em noite de lua cheia, brincar de pega-pega com a mulher que eu amo, fazer castelos de areia, beijar embaixo da chuva, transgredir a lei, pular a cerca, subir num pé de coco, quebrar o telhado do vizinho, abrir os braços no meio da rua e dá um grito de felicidade, namorar no banco da praça, chupar sorvete de framboesa com flocos de brigadeiro, ouvir Down Under, da banda australiana Men at Work, mais alto que um trio elétrico e ainda fingir que toca guitarra?

Infelizmente, como diz o bom senso: Nem tudo que eu quero eu posso. Nem tudo que eu posso eu devo e nem tudo que eu devo eu quero. Seu caráter lhe dirá o que você quer, o que você pode e o que você deve. E, naquela estação, aos 33 anos de idade com uma carreira se solidificando, carro seminovo, emprego garantido, um pouco de dinheiro no banco e solteiro eu queria Alice, eu podia ter Alice e eu acreditava no fundo da minha alma que pertencia a Alice. 

As doces amargas memórias de Pedro e Alice, de Pawlo Cidade. Inédito. 

sexta-feira, 31 de julho de 2015

CRÔNICA DE CADA DIA

Imagem meramente ilustrativa da web

ATÉ QUE A MORTE NOS UNA
Pawlo Cidade

“Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta conviver com a mesma pessoa por uma eternidade. Eu, na realidade já estou em meu terceiro casamento – a única diferença é que casei três vezes com a mesma mulher.” Enunciado assim é difícil crer que os casamentos de hoje durem tanto tempo. Há quem diga que os casamentos de outrora duravam por dois motivos: medo de ficar sozinho ou religião. Acrescente-se a isso a infidelidade. Aperitivo que permitia ao homem – e raramente a mulher – pular a cerca, mas continuar casado com a mesma parceira. “Em casa, tenho comida, roupa lavada e limpeza, na rua tenho o que minha mulher não me dá.” Célebre frase de um sem-vergonha machista que sentia a necessidade de uma escrava do lar, não de uma esposa.

Pois bem, finda a premissa (o mesmo que teoria, o conteúdo, a informação essencial que vai servir para escrever esta crônica) a partir da opinião de Arnaldo Jabor sobre a duração dos casamentos contemporâneos, me vem ao pensamento a lembrança de Seu Eurico e Dona Eulália, que, recentemente completaram bodas de diamante. “Qual o segredo?” - Pergunto. E ele, na simplicidade de suas palavras, no gesto terno de sua paciência, balbucia: “Respeito.”

Como um memorialista apaixonado narra pausadamente o dia em que, sentado na enseada do Pontal, de frente para a baía, conheceu aquela que seria sua amante até que a morte os separasse. Eulália era filha de pescador e Eurico, um jovem engenheiro, contratado para construir a ponte que ligaria a vila de pescadores ao centro da cidade. Ali, embaixo da jindiba, árvore que é símbolo das lembranças do personagem Caúla em “Luanda Beira Bahia”, de Adonias Filho, Eurico e Eulália trocaram o primeiro beijo, numa tarde ensolarada de maio.

“Respeito.” - Repetiu o octogenário construtor de pontes que soube, tijolo a tijolo, erguer a difícil arte do relacionamento a dois. “E o amor, ele não é fundamental?” Indago de supetão como que quisesse afirmar que o amor e respeito não podem viver separados. “O amor é cúmplice! Ele é também construído, lapidado, melhorado e ampliado um dia após o outro. Se você não entende isso, se você não enxerga isso, acabou o respeito,” confessa o engenheiro. E eu me pego pensativo, testemunhando o exemplo e de quanto ainda precisamos melhorar para ser, pelo menos, um terço do que foi a vida de Eurico e Eulália.

Na véspera de completar 61 anos de casados, Eurico e Eulália partiram. A morte não foi capaz de separá-los. O encontro se deu para ambos. Foram encontrados, em seu leito, abraçados, como costumavam dormir. Quis o destino, uni-los na juventude e na maturidade; na saúde e na doença; na alegria e na tristeza, na vida e na morte.

Julho de 2015

terça-feira, 28 de julho de 2015

CRÔNICA DO DIA A DIA


GATO POR LEBRE
Pawlo Cidade

Se você perguntar na Avenida Esperança onde fica a Rua Esperanto Perolato as pessoas vão erguer os sobrolhos e achar que você deve ter lido o endereço errado. Outros darão risada e alguns ainda vão repetir “Esperanto o quê?” Mas se você disser: “Rua do Cano”, todo mundo vai saber onde fica. E o nome que ficou na boca do povo, porém, algum vereador do passado na esperança de estar “prestando um (de)serviço à comunidade” apresentou um projeto de Lei que a batizou de Rua Esperanto Perolato. Nada contra o esperanto, esta língua artificial inventada por um médico judeu que não preciso citar o nome agora senão vocês vão acabar embrulhando a língua. Ah não ser que o nome faça jus ao significado real da palavra: “o que espera.” E é assim que vive o povo da Rua do Cano – digo “Esperanto”, esperando. Esperando tapar os buracos, asfaltar a rua, melhorar a iluminação pública, enfim!

Passada a introdução geográfica, cabe-nos chamar a atenção para um personagem conhecido do pedaço, que antes mesmo da venda do seu Zé abrir, às seis e meia da manhã, ele está lá, de prontidão, disposto a tomar o café-de-um-gole-só com a branquinha de sua preferência. Na desculpa de comprar o pão das crianças, Bigode já entrava no estabelecimento esticando os dedos e brindando o dia: “Seu Zé, a de sempre!” E Zé, dobrando a cabeça e curvando os lábios, pegava a garrafa de 51, no canto da prateleira, e enchia com uma única dose o pedido do freguês.

Fosse esse apenas o defeito – ou seria vício? - de Bigode. É bem verdade que nunca se tinha visto ele deitado na calçada ou jogado numa vala, guardado pelo seu fiel escudeiro “Bronze”, uma mistura de cachorro salsicha e vira-lata, que o acompanhava nas escapadas noturnas e nas goladas matutinas da branquinha. Bigode, certa feita, bebendo todas e comendo com farinha, se engraçou com uma loira top-de-linha, pernuda, quadril arredondado, lábios carnosos. Os colegas, percebendo a paquera do amigo resolveram colocar lenha na fogueira. E a loira, com aquele largo sorriso de quem vem-que-eu-sou-tua caiu na lábia de Bigode. Seu Zé, amigo de infância e dono do bar, até tentou cutucar o outro pedindo que não se metesse com a mulher dos outros. Bigode, travado, perguntou se o bodegueiro estava com ciúmes, pois perder aquele avião seria o mesmo que perder um bilhete premiado da loteria.

A única pulga que deixou Bigode com a orelha em pé – mas também que se dissipou rapidamente – foi a de que ninguém mais deu em cima da loira. Só ele. Como podia? Uma loira linda, pernuda, gostosa, dando sopa e ninguém interessado? Só ele via aquilo? Não! Que nada! Barbudo, carpinteiro experiente tranquilizou o amigo: “A mulher é sua, Bigode. Você viu primeiro.” E mal teve tempo de completar a frase, Bigode estava do lado da loira, fungando no cangote. Zé Pedro, eletricista dos bons, solteiro, que morava num barraco na subida do Alto da Esperança ofereceu logo a chave para a quebrada. Bigode não contou conversa. Enfiou a chave no bolso, piscou para o amigo e saiu arrastando a loira para o matadouro.

Nem bem entrou no barraco, Bigode apertava a loira como se aperta uma aliança. Era beijo de um lado, cheiro do outro, lambida na orelha. Um grude! Aquela altura ele gritava a cada passo do caminho que a amava, que ela – a tal loira - era o amor da sua vida. Bigode - não se sabe se tonto por causa da branquinha ou encantado com a mulher, não acertou abrir a porta do barraco. A loira, prevenida, tomou a chave do outro, meteu na fechadura e abriu. Bigode foi empurrando ela como se aqueles fossem os momentos finais de sua conquista. A loira agarrou Bigode pelos braços, com uma força que ele estranhou e disse: “Calma!” Bigode deu um passo para trás e esperou o desenrolar do acontecimento. Mal sabia ele que a turma, que o acompanhara no bar, estava de ouvido grudado na porta do barraco, querendo saber o que estava acontecendo.

A loira, mais uma vez cuidadosa, sentou Bigode num tamborete, e deixou-o na posição de espectador. Em seguida, afastou-se, tirou a roupa, lentamente, subiu na cama e ficou na posição de cachorrinho. Bigode arregalou os olhos, suou frio, engoliu a saliva, ergueu as sobrancelhas e uma tremedeira tomou-lhe conta das pernas. O arapapá da loira mais parecia uma manjuba. “E aí?” A voz da loira ficou mais grave. Bigode olhou para um lado, olhou para o outro, respirou fundo e pensou consigo mesmo: “Se não tu, vai tu mesmo.” E os companheiros, do lado de fora do barraco, tentando encontrar uma fresta ou ouvir os gemidos que vieram do quarto da casa de Zé Pedro, apelidaram Bigode naquele dia de “Gato por lebre.”


Julho de 2015

segunda-feira, 18 de maio de 2015

CRÔNICA DO DIA-A-DIA


CATA NICA, MISERÁVEL!
Pawlo Cidade

Cata nica, pinga pinga, coletivo, bus, lata velha, buzú! Ele pode ter vários apelidos, mas, a verdade é uma só: Sujeira, poltronas quebradas, cigarras que não funcionam (Pára aí, motorista!), horários desgovernados, linhas mal atendidas, motoristas estúpidos, cobradores e cobradoras mal humoradas, passagem cara!

Peraí, e nada se salva? Claro, toda regra tem exceção. Tem aquele que pára para a moça bonitinha no ponto, que varre o veículo no ponto final, que passa flanela nas poltronas molhadas quando a chuva pega todo mundo de surpresa; o condutor que dá bom dia, boa tarde, boa noite. E é só.

Hora do pico, confusão, empurra-empurra, rala-rala: “Oi, minha bolsa!” “Empurra não, p.!” “Peraí, véi!” “Respeita a senhora, aí, cara!” Quem entra primeiro, senta. Os mais solidários pedem as mochilas para segurar, os livros para apoiar no colo, a bolsa pra ninguém ficar mexendo por trás. E de, ponto em ponto, entra mais um, mais dois, mais três, mais dez. “Já tá bom, motorista! Segue essa m.!” E a viagem segue, com cheiro, sem cheiro. Que ninguém se atreva a liberar um gás. “Deus é mais!” “Vai timbora, carniça!” “Creem-Deus-pai!”

Estudantes irritados na ida para a escola. Estudantes zoando na volta para casa. Foram tão oprimidos no dia-a-dia que a hora da volta é a hora de extravasar, de gritar, de berrar, de cantar: “Se eu fosse um cachorro, minha mãe seria uma cachorra e eu seria um cachorrinho! Lá, lá, lá, lá!” Cobrador furioso, motorista irritado. Freio de arrumação. “Tá levando boi, miserável!” “Não é sua mãe que está aqui não!” E a melodia estudantil ecoando do fundo, em ritmo de arrocha: “Se eu fosse um gato, minha mãe seria uma gata e eu seria um gatinho! Lá, lá, lá, lá! Quem aguenta? Ladainha, pirraça, barulho no pé do ouvido? A senhora gorda, perto do motorista, bufando e soando ao mesmo tempo. Não sabia se descia no próximo ponto ou se brigava com os meninos lá no fundo.

“Se eu fosse um cavalo, minha mãe seria uma égua e eu seria um cavalinho! Lá, lá, lá, la!” A esta altura, o cobrador já “p” da vida resolve acabar com a farra estudantil e grita para todo passageiro ouvir: - Se sua mãe fosse uma puta?

E a turma, esperta, podia até perder a briga, mas não perdeu a oportunidade de entoar uns versos que deixou o cobrador com cara de tacho: “Se minha mãe fosse uma puta, meu pai seria um corno e eu seria cobrador! Lá, lá, lá, lá!”

Pensa que o fato não foi aqui? Ou que o cenário é apenas uma crônica do dia-a-dia? Triste engano. A pirraça é na linha do Salobrinho, do Vilela, do Basílio, do Iguape...

Ainda bem que na vida tudo é passageiro. Exceto, cobrador e motorista.